quarta, 24 de abril de 2019

AMAERJ | 28 de janeiro de 2019 16:34

Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)

Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Delicious Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Digg Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Facebook Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Google+ Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Link-a-Gogo Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on LinkedIn Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Pinterest Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on reddit Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on StumbleUpon Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Twitter Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Add to Bookmarks Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Email Share 'Juíza do Rio de Janeiro atua como voluntária em Brumadinho (MG)' on Print Friendly Whatsapp
Juíza Simone Ferraz | Foto: Arquivo pessoal

O rompimento da barragem da mineradora Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), mexeu com a juíza Simone de Faria Ferraz (diretora de Aperfeiçoamento Institucional da AMAERJ). Com experiência em sobrevivência em mata, a magistrada seguiu para o local da tragédia. Autorizada pelo TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), ela chegou na manhã desta segunda-feira (28) à cidade mineira, onde ficará até sexta-feira (1).

“Fui do grupo de Operações Especiais da Polícia Civil, atuei como voluntária em diversos desastres. Uma delas foi na queda de encostas em Petrópolis, em 1988, e no Morro do Bumba, em 2010. Mais uma vez, vi que precisava fazer algo”, explicou a juíza, por telefone, nesta tarde.

Leia também: RioSolidário arrecada 2 mil litros de água e mil quilos de alimentos para Brumadinho
Justiça de Minas Gerais bloqueia R$ 11 bilhões da Vale
Órgão Especial realiza remoção e promoção de 16 juízes

Simone conversou com o desembargador Henrique Figueira, responsável pela movimentação de magistrados do Tribunal do Rio, antes de protocolar o pedido de licença ao presidente do TJ-RJ, desembargador Milton Fernandes de Souza. “Solicitei que esses dias sejam compensados futuramente, em plantões ou férias”, contou.

Ela viajou sozinha para Brumadinho, onde encontrou “uma cidade triste”.

“A água do rio tem cor de cobre, totalmente poluída. É um momento muito complicado. Mas a Defesa Civil daqui e de outros Estados, junto ao Exército, estão organizados. As equipes israelenses também estão aqui para ajudar no resgate.”

A voluntária, que presenciou o resgate de animais, afirma que as buscas estão concentradas na “área quente” – ou seja, a principal região afetada pelo desastre.

Cachorro resgatado na lama nesta segunda-feira (28) | Foto: Arquivo pessoal

Segundo a voluntária, ainda há instabilidade na lama de rejeitos, o que impossibilita sua atuação no resgate. Ela está auxiliando na Estação do Conhecimento, área de lazer da Vale, transformada em ponto de informações, cadastro de voluntários e campo de decolagem de helicópteros.

“Quando cheguei, contei a um capitão do Corpo de Bombeiros que vim do Rio para ajudar. Seus olhos se encheram d’água. Deixei meu carro livre para usarem quando precisar e levei um casal de idosos a Inhotim, cansados de esperar notícias de parentes. Já separei mantimentos e conversei com famílias. Faço o que for preciso para ajudar e, só por estar aqui e me doar, já valeu a pena.”

A barragem de rejeitos minerais da Vale se rompeu na tarde de sexta-feira (25). A avalanche de lama atingiu a área administrativa da companhia e parte da localidade Vila Ferteco. Até às 11h desta segunda-feira (28), havia a confirmação de 60 mortos, 292 desaparecidos e 192 resgatados, segundo o Corpo de Bombeiros.

Centro de voluntários em Brumadinho (MG) | Foto: Arquivo pessoal
Militares das Forças Armadas em Brumadinho (MG) | Foto: Arquivo pessoal
Helicóptero empregado em ações de resgate | Foto: Arquivo pessoal

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Índio Brasileiro Rocha 2019-01-28 21:12:39

Sem palavras, Simone! Só emoção! Que Deus a proteja e recompense. Carinhoso e respeitoso beijo. Abs.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Samuel de Barros 2019-01-29 09:12:16

Parabéns para a Magistrada carioca. Já a muito tenho vontade de atuar em voluntariado como este. Não o fiz ainda, por desconhecer os procedimentos para tal. Tenho 69 anos hoje, formado em Educação Física, lecionei por mais de onze anos. Formado em Teologia, sou Pastor Presbiteriano a cerca de trinta anos. Bacharel em Direito, tenho orientado pessoas carentes em questões jurídicas... Se receber orientação, me increvo.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enedina de Carvalho Grillo 2019-01-29 11:08:38

Parabéns Dra. Orgulho-me de você se estivesse no Brasil estaria a seu lado.

O comentário não representa a opinião da AMAERJ; a responsabilidade é do autor da mensagem.