quinta, 19 de setembro de 2019

AMAERJ | 08 de julho de 2019 16:15

Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’

Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Delicious Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Digg Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Facebook Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Google+ Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Link-a-Gogo Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on LinkedIn Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Pinterest Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on reddit Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on StumbleUpon Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Twitter Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Add to Bookmarks Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Email Share 'Sergio Ribeiro defende adoções tardias em entrevista a ‘O Globo’' on Print Friendly Whatsapp
Juiz Sergio Ribeiro

No Brasil, 48.025 crianças e adolescentes vivem em abrigos, dos quais 4.992 estão aptos para adoção. Destes, 92,2% têm entre 7 e 17 anos. Em reportagem do jornal “O Globo”, publicada neste domingo (7), o juiz Sergio Ribeiro (diretor de Direitos Humanos da AMAERJ) ressalta a importância de estimular as adoções tardias.

“É muito claro para todos que, a partir dos 7 anos, fica difícil a adoção. Porém, o processo de retirada do poder familiar costuma ser longo, porque o Estatuto da Criança e do Adolescente pede que se lute por esse vínculo.”

Leia também: Presidentes de TREs reafirmam competência da Justiça Eleitoral
AMB quer união dos presidentes de tribunais contra texto da Reforma
Congresso nacional sobre o meio ambiente reúne juízes e promotores

O juiz defende que os pretendentes conheçam crianças fora de seu perfil de interesse inicial. “O que eles têm é um ideal de vínculo. E tentamos mostrar que isso não se dá apenas com um bebê, pode surgir com um adolescente.”

Vencedor do Prêmio Innovare em 2015, Sergio Ribeiro é o criador do projeto “Apadrinhar – Amar e Agir para Materializar Sonhos”. Ele também idealizou o projeto da AMAERJ “O Ideal é Real – Adoções Necessárias”, que tem o objetivo de promover o encontro das crianças e adolescentes com os pretendentes da adoção.

Leia aqui a reportagem completa do “O Globo”.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!