segunda, 15 de outubro de 2018

AMAERJ | 22 de dezembro de 2017 16:06

Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’

Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Delicious Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Digg Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Facebook Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Google+ Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Link-a-Gogo Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on LinkedIn Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Pinterest Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on reddit Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on StumbleUpon Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Twitter Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Add to Bookmarks Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Email Share 'Juiz de Itaboraí desmente reportagem de ‘O Dia’' on Print Friendly Whatsapp

A AMAERJ esclarece que, diferentemente do noticiado nesta sexta-feira (22) pelo Jornal “O Dia”, o juiz Daniel da Silva Fonseca, da 1ª Vara Criminal de Itaboraí, não obrigou dois menores apreendidos por policiais civis a permanecer ao sol por três horas.

Apreendidos na cidade vizinha de São Gonçalo por suspeita de envolvimento com o tráfico de drogas, os menores estavam sendo conduzidos por dois policiais civis da 72ª Delegacia (São Gonçalo).

O juiz contou que os policiais insistiram para deixar os menores na carceragem do Fórum, que está desativada neste recesso judiciário. Quando o magistrado informou que não era possível, simularam uma situação inexistente. O episódio aconteceu nesta quarta-feira (20) no Fórum de Itaboraí.

“Não autorizei que eles deixassem os menores e fossem embora do fórum porque a carceragem está desativada. Em represália, montaram um ‘circo’, filmando os garotos na frente do fórum, algemados, expostos ao sol. Uma mentira absurda. Ainda disseram que eu não estava no fórum, quando cheguei bem antes da abertura do expediente. Fui o primeiro a chegar ao Fórum de Itaboraí. Antes até do que os funcionários. Tenho 11 anos de magistratura. Antes disso, seis anos na Defensoria Pública. Sempre prezei por trabalhar de modo silencioso, no anonimato. Faço meu trabalho, vou para casa, fico com minha família. Não consigo entender o que estão querendo com isso. Tenho amigos; inimigos, desconheço”, concluiu o juiz.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!