quinta, 29 de novembro de 2018

AMAERJ | 10 de outubro de 2018 16:07

Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros

Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Delicious Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Digg Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Facebook Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Google+ Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Link-a-Gogo Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on LinkedIn Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Pinterest Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on reddit Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on StumbleUpon Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Twitter Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Add to Bookmarks Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Email Share 'Racismo será discutido no 2º Encontro de Juízas e Juízes Negros' on Print FriendlyWhatsapp

A representatividade racial nas carreiras jurídicas, o enfrentamento ao racismo e os desafios da democracia serão discutidos na 2ª edição do Encontro de Juízes e Juízas Negros (Enajun), de 8 a 10 de novembro, em Brasília. As inscrições podem ser feitas até 2 de novembro. Os ministros Dias Toffoli (presidente do STF e do CNJ) e Alexandre de Moraes (STF) participarão do evento.

Inscreva-se aqui. Dados do Censo do Poder Judiciário de 2018, do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), mostram que 16,5% da magistratura nacional é parda e somente 1,6% é negra. Com o apoio da AMB, o encontro debaterá a igualdade racial na categoria.

“Essas informações, associadas a tantas outras que apontam a negritude como um marcador social que desiguala para pior, demandam de forma cada vez mais premente que se estabeleça reflexão e debate sobre o racismo em todos os planos em que se manifesta”, afirmou o presidente da AMB, Jayme de Oliveira.

Leia também: Renata Gil assume a presidência interina da AMB
Diretoria da AMB traça diretrizes para juízes com filhos especiais
Presidentes de associações acompanham sessão do CNJ

Em 2017, o evento teve como tema a identidade negra na magistratura. “O primeiro encontro possibilitou a reflexão sobre a limitada representação da população negra nos espaços de poder. Neste ano, o objetivo é amadurecer esta reflexão e ampliar o horizonte de análise para abordar o racismo estrutural, seu significado, sua presença na formação da sociedade brasileira e como se manifesta nas diversas instituições e no plano individual”, disse.

Jayme de Oliveira destacou que, para construir um Judiciário cada vez mais plural, é necessário o esforço de toda a sociedade para buscar a evolução democrática. O evento será na sede do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT).

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!