terça, 19 de março de 2019

AMAERJ | 25 de fevereiro de 2019 16:27

Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão

Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Delicious Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Digg Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Facebook Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Google+ Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Link-a-Gogo Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on LinkedIn Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Pinterest Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on reddit Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on StumbleUpon Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Twitter Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Add to Bookmarks Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Email Share 'Feminicídio virou ‘epidemia’, alerta Renata Gil em artigo no Estadão' on Print Friendly Whatsapp

Em artigo publicado nesta segunda-feira (25) no site do jornal “O Estado de S. Paulo”, a presidente da AMAERJ e vice-presidente Institucional da AMB, Renata Gil, escreve que a prática do feminicídio no Brasil “já configura uma espécie de epidemia, que atinge mulheres de todas as camadas sociais”.

Leia também: Renata Gil participa do encontro de presidentes dos tribunais de Justiça
‘Objetivo é repor os serventuários no primeiro grau’, diz presidente do TJ-RJ
Em carta aberta, AMB alerta para aspectos ‘desumanos’ da Reforma da Previdência

Destaque do Blog Fausto Macedo Repórter, o mais prestigiado na área do jornalismo jurídico brasileiro, o texto de Renata Gil revela o estado de precariedade das Deams, as delegacias especializadas nos crimes contra a mulher registrados no Estado do Rio de Janeiro.

“Há Delegacias de Atendimento à Mulher em que os banheiros estão entupidos, onde ratos e baratas proliferam. Muitas vezes falta até papel higiênico. A precariedade é absoluta.A Deam do Centro, em plena Praça Tiradentes, deveria ser uma espécie de joia da coroa do atendimento às mulheres agredidas e aos parentes e amigos das assassinadas.Poderia funcionar como uma central da política pública contra o feminicídio. A realidade, porém, não é esta. Uma vidraça na portaria da delegacia partiu-se tempos atrás. Em seu lugar, improvisou-se uma tábua de madeira, sabe-se lá recolhida aonde”, relata a magistrada.

Leia aqui o artigo de Renata Gil

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!