terça, 23 de julho de 2019

AMAERJ | 14 de março de 2018 16:01

Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso

Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Delicious Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Digg Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Facebook Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Google+ Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Link-a-Gogo Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on LinkedIn Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Pinterest Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on reddit Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on StumbleUpon Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Twitter Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Add to Bookmarks Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Email Share 'Falar de corrupção provoca ‘choro e ranger de dentes’, diz Barroso' on Print Friendly Whatsapp

*O Globo 

FOTO: José Cruz/Agência Brasil

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que no Brasil há “choro e ranger de dentes” quando se fala em corrupção. As declarações foram dadas em palestra nesta quarta-feira, numa faculdade particular de Brasília onde o ministro leciona, que contou também com a participação da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Leia também: Ministro Salomão participa do programa Conexão Roberto D’Avila
Escola Judiciária Eleitoral do Rio promove seminário sobre gestão de riscos
Alexandre Flexa disponibiliza coletânea sobre CPC aos associados

Ao elogiar o tema da palestra, o direito à água, Barroso comentou que se trata de assunto menos controvertido do que outras pautas contemporâneas.

— Quando a gente fala sobre corrupção, vem choro e ranger de dentes. Quando eu falo sobre outros temas que me são caros, como por exemplo descriminalização da maconha e tratamento igualitário das uniões homoafetivas, também gera sempre muita confusão — disse o ministro.

Barroso protagoniza uma tensão com o Palácio do Planalto nos últimos dias, após dar sinal verde para o avanço da investigação contra o presidente Michel Temer, autorizando a quebra de sigilo dele e de pessoas próximas ao mandatário. Temer é suspeito de ter favorecido empresas portuárias na edição de normas para o setor.

Ontem, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, subiu o tom das críticas contra o ministro do Supremo. Ele disse que pensa em retomar o mandato da Câmara apenas para pedir o impeachment de Barroso, ao criticar o ministro por ter modificado o indulto de Natal editado por Temer que facilitava a condenados por crimes de colarinho branco a obtenção do perdão da pena.

O ministro do Supremo deixou o evento sem falar com a imprensa, mas ao encerrar a mesa de debates, quando observou que jornalistas poderiam ficar frustrados com o tema sobre água, fez menções indiretas à troca de farpas com o governo nos últimos dias. Disse que “elogio ou crítica não fazem diferença” quando se cumpre uma missão e citou livro da Bíblia:

— Está no Eclesiastes, há um tempo da falar e há um tempo de calar — afirmou, arrancando risos da plateia.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!