quinta, 19 de setembro de 2019

AMAERJ | 05 de fevereiro de 2019 15:21

Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio

Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Delicious Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Digg Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Facebook Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Google+ Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Link-a-Gogo Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on LinkedIn Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Pinterest Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on reddit Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on StumbleUpon Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Twitter Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Add to Bookmarks Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Email Share 'Em artigo, juiz discute a segurança pública no Estado do Rio' on Print Friendly Whatsapp
Juiz Aylton Cardoso Vasconcellos | Foto: Reprodução/ Editora JC

O juiz Aylton Cardoso Vasconcellos (2ª Vara Criminal de Jacarepaguá) é o autor de artigo publicado na última edição da Revista de Estudos e Debates do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro). No texto, ele expõe as visões jurídicas, focadas no Direito Penal, sobre a proposta de mudança na política de segurança pública no Estado do Rio de Janeiro.

Em “Possibilidade de os agentes da área de Segurança Pública abaterem quem porta fuzil ou armamento de uso exclusivo das Forças Armadas em comunidades dominadas por organizações criminosas”, Vasconcellos examina o tema sob os ângulos da defesa do território nacional e da legítima defesa da liberdade e segurança dos moradores dessas localidades.

Leia também: Inscrições ao 1º Prêmio Nacional de Literatura para Magistrados são prorrogadas
AMB pede anulação de recomendações da Corregedoria Nacional
AMAERJ promove sorteio para fóruns da Infância e Juventude no Tocantins

Para o magistrado, é relevante haver estudos sobre tema porque, se a medida for implementada, “a questão certamente será submetida à cognição judicial, mostrando-se salutar o debate e pesquisa acerca das ideias ventiladas a fim de fornecer subsídios teóricos para reflexão da comunidade jurídica fluminense”. Veja aqui o artigo na íntegra.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!