quarta, 17 de julho de 2019

AMAERJ | 18 de junho de 2019 11:35

Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália

Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Delicious Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Digg Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Facebook Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Google+ Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Link-a-Gogo Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on LinkedIn Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Pinterest Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on reddit Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on StumbleUpon Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Twitter Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Add to Bookmarks Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Email Share 'Em artigo no ConJur, Ney Bello comenta as ações antimáfia na Itália' on Print Friendly Whatsapp
Ney Bello, desembargador federal do TRF-1 | Foto: Ascom/ TRF-1

Em artigo publicado no site ConJur (Consultor Jurídico), o desembargador do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) Ney Bello compara o Direito Penal brasileiro ao italiano e conta a experiência do país europeu no combate à Máfia. Ele organizou o curso “Organização Criminal Mafiosa e Lavagem de Dinheiro”, na Sicília (Itália), realizado com o apoio da AMAERJ entre 10 e 14 de junho.

Ao observar a experiência siciliana, Bello questiona: “Como reduzir a violência no Brasil a partir dessa atitude siciliana?”.

No texto, Bello comenta o diálogo com Vincenzo Militello, professor de Direito Penal na Università Degli Studi di Palermo, em que debatem ideias para reduzir a criminalidade no Brasil. O professor comenta que, mesmo com o empenho da polícia, a Máfia ainda é forte e recebe contribuições de 70% dos comércios na Sicília – situação que o desembargador compara à presença de milícias em territórios no Brasil.

Bello explica que “fez-se um sistema jurídico autônomo, em paralelo ao modelo geral, numa autêntica imposição de um Direito Penal do inimigo”, e pergunta: “Será o caso de se criar no Brasil um sistema jurídico penal paralelo para as milícias e para as organizações criminosas de tráfico de entorpecentes e assaltos a bancos?” Confira aqui o artigo na íntegra, no site do ConJur.

Leia também: Juízes fluminenses avaliam aprendizado em curso sobre a Máfia
Magistrados do Rio conhecem juiz que condenou mafiosos italianos
Magistrados se reúnem na Itália para curso sobre a Máfia

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!