terça, 23 de julho de 2019

AMAERJ | 24 de maio de 2019 17:43

Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador

Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Delicious Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Digg Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Facebook Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Google+ Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Link-a-Gogo Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on LinkedIn Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Pinterest Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on reddit Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on StumbleUpon Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Twitter Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Add to Bookmarks Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Email Share 'Eleição direta é ‘irreversível e necessária’, diz desembargador' on Print Friendly Whatsapp
Foto: AMB

A democratização da escolha dos dirigentes dos tribunais foi tema de painel no 7º Enaje (Encontro Nacional de Juízes Estaduais), nesta sexta-feira (24). O desembargador Almiro José Mello Padilha relembrou a inclusão dos juízes no colégio eleitoral para a escolha da administração do TJ-RR (Tribunal de Justiça de Roraima) quando era presidente, em 2016. Ele destacou que, depois da mudança, a gestão do tribunal melhorou, assim como a sua produtividade e desempenho. “Eleição direta é uma ideia irreversível e necessária, gostem ou não”, disse.

A vice-presidente de Direitos Humanos da AMB, Julianne Marques, coordenou os trabalhos do debate, que também contou com a participação do presidente do TJ-RR, Mozarildo Monteiro Cavalcanti, e do presidente da ACM (Associação Cearense de Magistrados), Ricardo Alexandre Costa.

Leia também: Alexandre de Moraes propõe medidas para a segurança dos magistrados
‘Defendo que a magistratura eleitoral continue a cargo dos juízes estaduais’, diz Toffoli
Podcast traz fala de Toffoli e entrevistas com presidentes de associações

Julianne Marques lembrou que a promoção de eleições diretas nos tribunais é uma bandeira histórica da AMB, sendo um pleito justo e democrático com o objetivo de melhorar o funcionamento do Judiciário e aprimorar a prestação jurisdicional. “Com as eleições diretas, os juízes se sentem representados na direção da Corte e participam da gestão.”

O TJ-RR já realizou duas eleições com a participação de todos os desembargadores e juízes no processo. Na mais recente, em novembro de 2018, foi eleito o desembargador Mozarildo Cavalcanti. De acordo com ele, a medida diminuiu a distância entre os juízes e a administração e aumentou o comprometimento.

Como exemplo desta transformação, ele citou o crescimento do número de juízes que participam de comissões e grupos de trabalho não remunerados, porque se sentem responsáveis e querem contribuir com a administração que ajudaram a escolher.

Coordenador da Comissão das Eleições Diretas criada pela AMB, Ricardo Alexandre Costa defendeu a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 187/12, que modifica o texto constitucional para permitir as eleições diretas. A proposta tramita atualmente na Câmara dos Deputados. Para o juiz, a mudança vai proporcionar a adoção de medidas de valorização da primeira instância.

Fonte: AMB

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!