quinta, 19 de setembro de 2019

AMAERJ | 14 de maio de 2019 11:52

Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral

Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Delicious Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Digg Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Facebook Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Google+ Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Link-a-Gogo Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on LinkedIn Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Pinterest Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on reddit Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on StumbleUpon Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Twitter Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Add to Bookmarks Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Email Share 'Desembargador critica proposta de modificação na Justiça Eleitoral' on Print Friendly Whatsapp
Desembargador Milton Nobre | Foto: Ricardo Lima/TJ-PA

Ex-presidente do Conselho dos Tribunais de Justiça, o desembargador Milton Nobre é contra a proposta de alteração da competência da Justiça Eleitoral. Em artigo publicado nesta segunda-feira (13) no site ConJur (Consultor Jurídico), o magistrado destacou ser “injustificável alterar a estruturação de um ramo especializado do Judiciário que notoriamente tem funcionado bem, atendido com eficiência à demanda por prestação jurisdicional e, por isso mesmo, goza de elevado conceito social”.

“O primeiro argumento não tem como ser tomado a sério, pois pretender que o tamanho do crime seja critério técnico válido para fixação de competência jurisdicional não tem o menor cabimento. De mais a mais, a lavagem de dinheiro é, no nosso imenso país, praticada em localidades pequenas e remotas, em comarcas da Justiça estadual que, embora com varas únicas, sediam zonas eleitorais, onde sequer há juízes federais por perto”, ressalta o magistrado do TJ-PA (Tribunal de Justiça do Pará).

Leia também: Justiça Eleitoral está preparada para julgar crimes comuns, defende AMB
Jurisdição eleitoral e Previdência são temas de reunião na AMB
Rosa Weber recebe Renata Gil para tratar de jurisdição eleitoral

“A alteração proposta pela Ajufe, ademais, tal como divulgado, implicará a existência de dois juízes por zona eleitoral e, portanto, acarretará considerável aumento na despesa de custeio da Justiça Eleitoral, o que, no mínimo, soa inoportuno na conjuntura econômica adversa enfrentada pelo Brasil.”

Leia aqui o artigo completo.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!