terça, 18 de setembro de 2018

AMAERJ | 11 de julho de 2018 16:11

Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna

Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Delicious Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Digg Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Facebook Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Google+ Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Link-a-Gogo Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on LinkedIn Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Pinterest Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on reddit Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on StumbleUpon Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Twitter Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Add to Bookmarks Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Email Share 'Desembargador nega liberdade a PMs que respondem por morte de aluna' on Print Friendly Whatsapp

Desembargador Joaquim Domingos Neto | Foto: Editora JC

O cabo da Polícia Militar Fabio de Barros Dias e o sargento David Gomes Centeno, acusados de matar, em março do ano passado, a estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, tiveram habeas corpus negado pelo desembargador Joaquim Domingos Neto, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio), nesta terça-feira (10). Eles pediam o trancamento da ação penal afirmando que não há indícios da participação deles no crime.

Maria Eduarda foi atingida por uma bala perdida quando os dois PMs trocavam tiros com traficantes perto da Escola Municipal Jornalista e Escritor Daniel Piza, em Acari, Zona Norte do Rio, onde a menina fazia aula de educação física na quadra do colégio. Além do tiro que atingiu Maria Eduarda, diversos outros disparos atingiram a escola, que estava em pleno funcionamento e lotada de alunos.

Leia também: TRE-RJ cria núcleo de inteligência para coibir propaganda eleitoral irregular
Mediação em Libras será realizada no Fórum de Leopoldina
CCJ da Câmara aprova a criação dos Juizados Especiais Criminais Digitais

Execuções

No mesmo processo, os dois policiais também respondem pela execução de dois traficantes de drogas junto ao muro da mesma escola onde Maria Eduarda estudava. O crime foi gravado por um morador do local e divulgado nas redes sociais. O cabo Fábio de Barros Dias foi denunciado pelo homicídio de Júlio César Ferreira de Jesus e o sargento David Gomes Centeno, pelo assassinato de Alexandre dos Santos Albuquerque.

As vítimas estavam caídas, feridas em decorrência de confronto com os militares, quando os policiais fizeram disparos de fuzil à queima-roupa que resultaram na morte dos dois.

De acordo com a denúncia oferecida pela 2ª Promotoria de Justiça ao 3º Tribunal do Júri da Capital, foram apreendidos perto do corpo de Júlio César, além de objetos, um fuzil AK 47 e uma pistola Glock, calibre 9 mm, ambos carregados. Ao lado do corpo de Alexandre, foi apreendida uma pistola Glock, calibre 9 mm, carregada.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!