segunda, 24 de setembro de 2018

AMAERJ | 12 de março de 2018 18:35

Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ

Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Delicious Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Digg Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Facebook Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Google+ Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Link-a-Gogo Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on LinkedIn Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Pinterest Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on reddit Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on StumbleUpon Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Twitter Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Add to Bookmarks Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Email Share 'Delegado da DEAIN faz visita institucional à AMAERJ' on Print Friendly Whatsapp

A presidente da AMAERJ, Renata Gil, se reuniu com o delegado Fábio Andrade, titular da DEAIN (Delegacia de Polícia Federal no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro), nesta segunda-feira (12).

A visita institucional aconteceu na Sede Administrativa da Associação, no Centro.

Leia também: Renata Gil se reúne com nova diretoria do Sind-Justiça
‘Colaboração premiada é o novo paradigma do processo penal’, diz Saldanha
Mês da Mulher: Rio tem a maior participação de mulheres na magistratura

Na semana passada, a Polícia Federal prendeu uma quadrilha de contrabandistas que atuava no Aeroporto Internacional do Rio.

William Gebrael Júnior vendia celulares pelas redes sociais a preços bem mais baixos do que nas lojas. Os aparelhos vinham principalmente de Miami, nos Estados Unidos. William foi preso na quinta-feira (8) no interior de São Paulo. Também foram presos três servidores da Receita Federal, que trabalhavam no Galeão. Outros dois foram afastados.

Segundo os investigadores, os servidores recebiam US$ 1 mil por mala de viagem e US$ 400 por mochila que deixavam passar. A investigação começou há um ano, quando um homem foi preso no aeroporto do Rio, tentando entrar no país com 15 quilos de cabelo humano, um videogame e 239 celulares avaliados em R$ 700 mil. Ele colaborou com a Polícia e revelou todo o esquema.

As câmeras de segurança mostram que os contrabandistas passaram pelo sistema pelo menos dez vezes entre setembro de 2016 e maio de 2017. Os servidores ignoravam o alerta de reconhecimento facial, e dos olhos, que indicam passageiros que fazem muitas viagens em curtos períodos.

“Vivemos uma intervenção pública federal em razão do caos que estamos vivendo. A entrada de armas, munições, drogas. Uma abertura das fronteiras para uma facilitação de servidores públicos é um problema gravíssimo”, disse Fábio Andrade à TV Globo.

Fonte: G1

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!