sábado, 23 de setembro de 2017

AMAERJ | 11 de setembro de 2017 17:59

Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim

Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Delicious Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Digg Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Facebook Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Google+ Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Link-a-Gogo Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on LinkedIn Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Pinterest Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on reddit Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on StumbleUpon Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Twitter Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Add to Bookmarks Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Email Share 'Delação é conduzida por pessoas sem preparo, diz Torquato Jardim' on Print Friendly Whatsapp

*ConJur

O ministro da Justiça Torquato Jardim vê problemas na forma como as delações premiadas são conduzidas, por pessoas que não estão preparadas para a tarefa. A avaliação foi feita em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, publicada nesta segunda-feira (11/9), ao comentar o acordo de delação firmado entre os delatores Joesley Batista e Ricardo Saud, do grupo J&F, com o Ministério Público Federal.

“Não é possível, não seria razoável admitir, que esses dois delatores [Joesley Batista e Ricardo Saud] e outros mais tenham enganado tão bem tantos, tanto tempo. Agora foram pegos no tropeço. O triste, além de todas as consequências jurídicas para quem foi envolvido, é que a delação esteja sendo colocada em prática por pessoas que não se preparam para essa tarefa”, disse. O ministro ainda citou técnicas de leitura corporal mostradas em filmes policiais como medidas a serem adotadas.

Ele também afirmou que a prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud “terá consequências graves para a credibilidade do processo” que tramita no Supremo Tribunal Federal, pois é provável “que depoimentos e provas fiquem sob suspeição de manipulação pelos agora presos”.

Ainda sobre a delação, Torquato Jardim criticou os inúmeros vazamentos das informações prestadas pelos delatores. Segundo o ministro, “isso quebra a dignidade do instituto”. Questionado se o episódio coloca o MP sob suspeita, ele afirmou preferir “crer que houve só pouco preparo profissional de quem atuou”.

Fonte: ConJur

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!