segunda, 23 de abril de 2018

AMAERJ | 12 de Janeiro de 2018 11:40

Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé

Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Delicious Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Digg Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Facebook Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Google+ Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Link-a-Gogo Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on LinkedIn Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Pinterest Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on reddit Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on StumbleUpon Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Twitter Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Add to Bookmarks Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Email Share 'Crise gerou aumento de prisões por falta de pagamento de pensão no Rio, diz Maria Aglaé' on Print Friendly Whatsapp

* ConJur

A crise econômica e a ausência dos pais na vida dos filhos são apontadas como fatores determinantes para o aumento nas prisões por falta de pagamento de pensões alimentícias no estado do Rio de Janeiro, de acordo com a juíza designada desembargadora Maria Aglaé Tedesco, da 26ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça fluminense. A magistrada falou sobre o assunto em entrevista à TV Brasil nesta quarta-feira (10/1).

De acordo com dados do TJ-RJ, o número de prisões em 2017 teve um aumento de 6,89% em relação ao ano anterior. Em 2016, a Justiça registrou 5.852 casos, menos do que os 6.255 do ano passado.

Leia também: Aumenta quantidade de processos de feminicídio no TJ-RJ
TRE-RJ e juízes de Campos tratam da organização das eleições

“O Tribunal do Rio tem um volume grande de ações de alimento e a maior parte das ações é contra o pai. As mães estão com dificuldades de criar os filhos. E ainda há casos de sub-registro, em que os filhos, ou responsáveis, sequer notificam a Justiça do não pagamento”, avaliou.

A magistrada também afirmou que a prisão de 30 dias prevista para esse tipo de situação é tomada apenas em último caso, quando todas as formas de conciliação foram esgotadas. Ela informou que a Justiça faz uma investigação detalhada da condição financeira do pai antes de pedir pela detenção, o único caso permitido no Brasil de prisão civil, de acordo com o Código de Processo Civil.

“O juiz costuma esperar outra forma de solução para esses casos, como a mediação. A prisão pode ser pedida no dia seguinte em que o pagamento não foi feito, mas existe uma cautela, porque a prisão não é o objetivo. A gente investiga a vida do pai, mas muitas vezes é uma questão camuflada, já que eles não informam quanto ganham”, afirmou a magistrada, que é coordenadora acadêmica de Direito de Família da Escola da Magistratura do Estado do Rio (Emerj).

Fonte: ConJur

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!