sábado, 23 de fevereiro de 2019

AMAERJ | 11 de fevereiro de 2019 16:33

Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade

Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Delicious Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Digg Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Facebook Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Google+ Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Link-a-Gogo Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on LinkedIn Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Pinterest Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on reddit Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on StumbleUpon Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Twitter Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Add to Bookmarks Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Email Share 'Cresce número de juízes que vêm de famílias com baixa escolaridade' on Print Friendly Whatsapp

*Migalhas

A AMB lançou nova pesquisa para diagnosticar o perfil do magistrado brasileiro. Após duas décadas desde a primeira, a Associação aponta relevantes aspectos sobre o perfil socioeconômico dos juízes.

A origem familiar dos magistrados chamou a atenção dos pesquisadores. O estudo mostra que o ingresso na carreira da magistratura caracteriza uma trajetória de mobilidade social.

Leia também: Pesquisa da AMB apresenta amplo panorama da magistratura brasileira
Com a pesquisa, sairemos do ‘achismo’, afirma presidente do Supremo
Pesquisa será fonte ‘perene’ de informações, diz Renata Gil

Observando a escolarização dos pais e mães dos magistrados cerca de 29% dos pais de juízes de 1º grau e 33,3% dos de 2º grau têm escolaridade baixa. Um pouco menos escolarizadas, as mães dos magistrados acompanham essa distribuição. “A perspectiva, portanto, de que o recrutamento de juízes se dá apenas nos estratos mais altos da sociedade não se confirma no caso brasileiro, percebendo-se, alternativamente, um cenário de recrutamento plural”, explicam os autores da pesquisa, Luiz Werneck Vianna, Maria Alice Rezende de Carvalho e Marcelo Baumann Burgos.

Perfil socioeconômico

A pesquisa revela que quase 80,6% dos juízes de 1º grau se declaram brancos e, 18,4% pardos e pretos. Entre os juízes de 2º grau, o percentual de autodeclarados brancos aumenta para 85% e número de pretos e pardos cai para 11,9%.

Os dados se aproximam, segundo o relatório, da pesquisa realizada pelo CNJ na qual aponta que 81% dos magistrados se declaram brancos e 18%, pretos e pardos.

No que diz respeito à religião predominante dos magistrados, quase 60% dos juízes de 1º grau são católicos e 13,9% são espíritas. Em comparação com a pesquisa realizada há duas décadas pela AMB, 79,9% dos juízes de 1º grau eram católicos e 5,4% espíritas e, entre os juízes de 2º grau, o percentual de católicos chega a 69%.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!