segunda, 17 de junho de 2019

AMAERJ | 21 de maio de 2018 15:28

Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias

Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Delicious Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Digg Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Facebook Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Google+ Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Link-a-Gogo Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on LinkedIn Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Pinterest Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on reddit Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on StumbleUpon Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Twitter Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Add to Bookmarks Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Email Share 'Caminhada em Copacabana incentiva as adoções necessárias' on Print Friendly Whatsapp

Juiz Sergio Ribeiro participou da caminhada | Felipe Barreto/TJ-RJ

Famílias e instituições que atuam em defesa da adoção participaram, neste domingo (20), de uma caminhada na orla de Copacabana, na Zona Sul do Rio. Diretor de Direitos Humanos e Proteção Integral da AMAERJ, o juiz Sergio Ribeiro levou para o ato crianças e adolescentes que vivem em abrigos e estão à espera de uma família. “É preciso desmistificar a adoção, principalmente o grupo das adoções necessárias. A caminhada traz visibilidade”, disse.

Sergio Ribeiro também é presidente da Coordenadoria Judiciária de Articulação das Varas de Infância e Juventude e Idoso do TJ-RJ. Para ele, o Judiciário deve dispor de políticas que estimulem a adoção. O juiz citou as iniciativas da AMAERJ e do TJ-RJ, como o ‘Ideal é Real’, que incentiva a adoção de crianças mais velhas; e o ‘Entregar é Proteger’, que permite às mães de recém-nascidos entregarem os filhos para adoção nas varas de família.

“Temos cerca de cinco mil crianças e adolescentes aptos a adoção no Brasil, mas o perfil não bate com aquele pensado pela maioria dos habilitados. É preciso promover o encontro desses habilitados com crianças e adolescentes para possibilitar a mudança de perfil. Devemos observar que há crianças mais velhas, a partir dos oito anos de idade, adolescentes, com problemas de saúde e grupos de irmãos que estão à espera de uma família”, afirmou.

Leia também: Faltam três dias para o Congresso Brasileiro de Magistrados, em Maceió
TJ inaugura Centro de Soluções de Conflitos em Niterói
Brasil tem 110 magistrados sob proteção

Um dos exemplos dessa mudança de perfil é Eliane Rezende e a companheira, Danielle. As duas adotaram as três irmãs: Maria Eduarda (7), Raquel (11) e Thainara (14). O esforço para cuidar do trio é grande, mas nada tira o entusiasmo das cinco. “Muda tudo, a rotina alterou completamente, cuidar das três nem sempre é fácil. Mas vale, vale muito a pena”, disse Eliane.

Quando Ney Pereira e Deise adotaram Laura há seis anos, os tempos eram de maior preconceito. De lá pra cá, ele acredita que a sociedade está mais aberta e encara a adoção – seja ela como for – com mais naturalidade.

“Hoje percebo que há uma rede de apoio à adoção que cruza os estados. No meu tempo foi mais difícil, alguns não entendiam bem porque eu estava adotando a Laura. Na verdade, não perceberam que era ela que estava nos adotando, transbordando carinho e amor”.

Ato em favor da adoção na Praia de Copacabana | Tomaz Silva/Agência Brasil

Segundo o Cadastro Nacional de Adoção, há hoje 4.945 crianças e adolescentes aptas à adoção para 43.565 pretendentes cadastrados. Ainda assim, muitos ficam sem uma família. No entanto, a diretora da Associação Nacional dos Grupos de Apoio à Adoção, Silvana do Monte Moreira, diz que já se percebe o aumento de famílias que adotam irmãos ou crianças com HIV.

“São atitudes que estão sendo ampliadas para perfis antes ignorados”, afirmou.

Sergio Ribeiro também ressaltou que já é possível perceber algumas mudanças. “Em visitas a abrigos, promovidas pelo Judiciário, um casal adotou uma criança com microcefalia ao vê-la e, em outra, uma família que não queria adoção tardia optou por um adolescente.”

Com balões, camisas e faixas – todas incentivando a adoção – as pessoas compartilhavam suas experiências, vitórias e desafios. Em todas, o sorriso pelas novas famílias que se formam e o desafio de conscientizar a sociedade, de que adotar como gesto de amor de que há milhares de crianças à espera de uma família, de que todas as formas de família devem ser respeitadas.

Assista aqui à reportagem da GloboNews sobre a caminhada.

Fonte: TJ-RJ e O Globo

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!