sábado, 18 de novembro de 2017

AMAERJ | 10 de novembro de 2017 10:09

Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro

Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Delicious Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Digg Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Facebook Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Google+ Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Link-a-Gogo Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on LinkedIn Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Pinterest Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on reddit Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on StumbleUpon Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Twitter Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Add to Bookmarks Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Email Share 'Câmaras Cíveis do Rio serão unificadas em janeiro' on Print Friendly Whatsapp

O Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ), composto por todos os desembargadores do órgão, decidiu, em sessão nesta quinta-feira (9), unificar a competência de todas as Câmaras Cíveis. A proposta acabar com as câmaras especializadas em Direito do Consumidor, apresentada pelo presidente da Corte, desembargador Milton Fernandes de Souza, recebeu 135 votos favoráveis e 3 contrários.

Leia mais: Tribunal Pleno do TJ-RJ elege três novos membros para o TRE

O objetivo é readequar a segunda instância do Tribunal, para melhorar a prestação jurisdicional e agilizar a tramitação dos processos, a partir de janeiro de 2018. Hoje, o TJ-RJ possuía cinco câmaras consumeristas (23ª, 24ª, 25ª, 26ª e 27ª). Agora, elas passarão a cuidar também de assuntos cíveis. Com isso, a segunda instância da corte fica dividida entre a seção cível (com 27 câmaras) e a seção criminal (com oito turmas), além do Órgão Especial e do Conselho da Magistratura.

Os desembargadores também decidiram criar uma comissão para avaliar a separação das câmaras entre Direito Público e Direito Privado, como no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

(Com informações do TJ-RJ e do Conjur)

Leia também: Vitória contra dispositivo da Lei Maria da Penha que fere prerrogativa da magistratura

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!