segunda, 09 de dezembro de 2019

AMAERJ | 25 de junho de 2017 17:16

AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio

Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Delicious Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Digg Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Facebook Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Google+ Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Link-a-Gogo Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on LinkedIn Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Pinterest Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on reddit Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on StumbleUpon Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Twitter Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Add to Bookmarks Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Email Share 'AMAERJ repudia matéria equivocada sobre desembargadores do Rio' on Print Friendly Whatsapp

A AMAERJ repudia matéria do site “Jornal da Cidade”, que veicula lista com 90 desembargadores do TJ-RJ nomeados durante o governo do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, induzindo o leitor a crer, de forma absolutamente equivocada, que teriam sido escolhidos por influência da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo.

A publicação, sob o infame título “A extensa lista de magistrados da cota de Adriana Ancelmo”, baseia-se em informações de reportagem da Folha de S.Paulo – que, entretanto, não elencou nenhuma lista.

O “Jornal da Cidade” ignora os critérios basilares de antiguidade e merecimento, que norteiam a nomeação para desembargador de juízes de carreira – 80% dos integrantes do segundo grau do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Essas nomeações seguem critérios internos do Poder Judiciário e não estão sujeitas a ingerência do Poder Executivo.

A publicação fere ainda princípios elementares jornalísticos, como o de checar informações para evitar erros e o de ouvir a outra parte antes da publicação, que lança suspeitas infundadas sobre metade dos desembargadores do Rio de Janeiro. Na era da “pós-verdade”, de “fake-news” e audiência a qualquer preço, a matéria parece ter se pautado unicamente pelo sensacionalismo em busca de cliques da internet.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!