quarta, 15 de agosto de 2018

AMAERJ | 03 de agosto de 2018 17:29

AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste

Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Delicious Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Digg Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Facebook Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Google+ Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Link-a-Gogo Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on LinkedIn Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Pinterest Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on reddit Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on StumbleUpon Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Twitter Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Add to Bookmarks Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Email Share 'AMAERJ participa de reunião associativa no Nordeste' on Print Friendly Whatsapp

Modificação de competência, pauta administrativa do tribunal e Resolução CNJ 219/2016, que trata da equalização da força de trabalho entre primeiro e segundo graus, foram os temas de reunião promovida pela AMARN (Associação dos Magistrados do Rio Grande do Norte), nesta sexta-feira (3). A presidente da AMAERJ e vice-Institucional da AMB, Renata Gil, participou do encontro, em Natal (RN).

Também participaram da reunião os presidentes Jayme de Oliveira (AMB), Herval Sampaio (AMARN) e Maria Aparecida Gadelha (AMPB), e o coordenador de Justiça Estadual da AMB, Frederico Mendes.

A Resolução CNJ 219/2016 também foi debatida no 114º Encontro do Conselho dos Tribunais de Justiça do Brasil, que acontece em Natal. O evento reúne os presidentes dos 27 tribunais de Justiça do país.

Leia também: ‘TJ-RJ tem 10 milhões de processos, 60% de execução fiscal’, diz Milton Fernandes
‘O Ideal é Real’ será lançado, em 14 de agosto, na Câmara dos Deputados
Juíza critica PL que veta condenação baseada em depoimento de PM

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja o primeiro a comentar!